Fotos: Leandro Gasparetti e Netinho Machado (Arquivo)

Você proprietário, colecionador ou amante do cavalo já parou para pensar na saúde bucal do seu animal? Como estão os dentes dele?
Na natureza, os cavalos em geral vivem mudando de lugar em busca do alimento e basicamente alimentam-se de capins. É devido a esse tipo de alimentação que eles têm um desgaste natural dos dentes e que tende a ser por igual. Atualmente a Odontologia Equina explica situações do tipo. Essa área da Medicina Veterinária está em franca expansão. Dados relatam que distúrbios odontológicos estão entre os três mais comuns e já conhecidos nessa espécie, principalmente em animais que tiveram sua rotina de alimentação modificada. A alteração da dieta dos cavalos é devido ao perfil atlético exigido pelos proprietários, treinadores e dessa forma, tal mudança alimentar é capaz de gerar muitos problemas na dentição que irá refletir diretamente na saúde e desempenho do animal.
Conhecendo um pouco mais sobre os cavalos, eles passam boa parte do seu tempo diário mastigando, uma vez que, anatomicamente possuem mandíbula móvel, tem vários dentes que se diferenciam pelo nome, tamanho, função, determinado período de desenvolvimento e compondo uma dentição temporária e posteriormente permanente. De fato, o nascimento e desenvolvimento dentário são contínuos e uma vez estabulados, comendo a ração, alimento no qual é macio, menos abrasivo, os equinos possivelmente não terão a taxa de desgaste igual ou similar à taxa de crescimento dos dentes. Essa irregularidade no desgaste dentário faz com que as pontas dos dentes cresçam em direção as bochechas, provocando sérias lesões, tornando-se doloroso para o animal e ao mesmo tempo um dos problemas a serem encontrados e corrigidos em um tratamento dental pelo Médico(a) Veterinário(a) capacitado.

Quando da visualização e correção das pontas dentárias e de outros problemas que irão de média até a alta complexidade, independente a idade do animal, é ideal que faça a escolha de profissionais específicos para a área, esses devem estar munidos de bons materiais, equipamentos elétricos e que serão úteis para cada tipo de função a se executar. Somente assim, um primeiro tratamento dental não se restringirá apenas ao ato da retirada das tais pontas de dente, deixando para traz outros problemas não vistos que no futuro poderá causar sérios danos à saúde bucal do animal. A inspeção, identificação e correção de qualquer problema dentário requerem habilidades técnicas, ética profissional, preservação e manutenção da integridade física e psicológica tanto do animal quanto do profissional e além de um amplo tempo hábil capaz de determinar o sucesso do procedimento a ser realizado.
É de suma importância à conscientização por parte de todos quanto a possíveis datas fazendo referência a idade do animal e época ideal para o primeiro tratamento dental. Em média, o primeiro tratamento dental poderá acontecer quando o potro completou um ano de idade, dessa forma, se ao acaso houver a necessidade da realização de um procedimento habitual que vem a ser a extração do(s) dente(s) Primeiro pré-molar, mais conhecida como dente(s) de lobo, ao chegar ao período de doma desse animal, por volta dos seus dois anos a dois anos e meio, ele terá uma melhor cicatrização, diminuindo a dor local, já que é possível o contato indireto entre a região em que foi retirado o dente com a primeira embocadura a ser utilizada na doma racional, o Bridão. Outros posteriores tratamentos de manutenção poderão ser realizados de seis em seis meses até os cinco anos de idade, justificando-se pelas trocas ou mudas dentárias que provavelmente se encerram nessa idade. Após os cinco anos de idade, um tratamento dental realizado anualmente é o suficiente para conservação e sobrevida da saúde do seu cavalo.

Vale lembrar que somente o/a(s) Médicos(as) Veterinários(as) que trabalham na área, serão capazes de saber quais as técnicas e equipamentos a serem utilizados; quais os tipos de anestésicos e sedação em cada caso em particular. Intervenções inadequadas por meio de profissionais de outras áreas podem causar danos irreparáveis aos dentes, articulações e todas as outras estruturas que trabalham como um conjunto na região da cabeça para realizar a mastigação e ingestão dos alimentos.
Atualmente, um trabalho bem elaborado, sem pressa, tem sido visto por proprietários e treinadores que estão reconhecendo e comprovando cada vez mais os efeitos benéficos desde o primeiro tratamento dental até outros tratamentos de manutenção para possíveis correções dos problemas ao longo da idade dos animais. Os cavalos que passam por avaliações e correções periódicas irão ter uma melhor mastigação e digestão, além de apresentarem uma considerável melhora no aproveitamento dos alimentos e diminuindo o risco de cólicas ou outras doenças. A odontologia favorece melhoras notáveis nos animais como as físicas, comportamentais e além do que promove um melhor desempenho, longevidade e vida útil.

Por Netinho Machado
Médico Veterinário
CRMV: 38.414/SP
Certificado pela Escola Latino
Americana de Odontologia Equina