Foto: Leandro Gasparetti

Pedro Henrique Biondo Matias, mais conhecido como Pedro Henrique Berranteiro, nasceu em Santo André e, desde pequeno tinha problemas respiratórios, que o deixavam bastante doente e, constantemente passava um período na casa dos avós, que até hoje moram em Orindiúva, para melhorar, mas depois acabava voltando. “E esse vai e vem foi por anos, até que um dia meus avós falaram que eu nunca melhoraria morando lá e, decidiram me trazer de vez para Orindiúva” explica Biondo. Como os avós eram comerciantes e viajavam bastante, em uma dessas viagens compraram um berrante, pensando que melhoraria os problemas respiratórios. E não é que melhorou!? Tanto que aprendeu a tocar sozinho o berrante.
Depois que aprendeu, começou a fazer apresentações até a adolescência. “Sempre ouvia falar muito em Barretos, era meu sonho tocar lá, mas minha vó não deixava, até quando fi z 18 anos e resolvi ir, mas foi um desastre, pois não conhecia a cidade e acabei atrasando e não pude participar, lembro que na época o organizador me ouviu tocar, disse para praticar mais e voltar no ano seguinte e, foi o que fiz”comenta Biondo. Tanto que em 2013, aos 19 anos, foi vice-campeão, na sua primeira competição em Barretos e, depois não parou mais, sendo campeão brasileiro em 2016 e 2018 em Barretos, também foi campeão, em 2014, na cidade de Ouro Fino, no Muar do Sertão, é tricampeão e, campeão no Graal Antares, em Uberaba..
“Atualmente considero como hobby para manter a história que vem sendo esquecida, já que sou engenheiro civil e atuo na construção civil pela Protendit e, procuro participar de eventos como cavalgadas, entre outros, para resgatar a tradição e não deixar acabar, essa é a minha parte” finaliza Biondo.