FOTOS: LEANDRO GASPARETTI

O novo Terminal Urbano de Rio Preto entra em operação neste sábado, dia 30, para atender com comodidade e segurança os 75 mil usuários do sistema que passarão diariamente pelo local. A obra foi projetada com foco na sustentabilidade e no respeito às pessoas com deficiência.

O ato de entrega do terminal ao consórcio Riopretrans, que administra o transporte coletivo urbano em Rio Preto, ocorreu na tarde desta sexta-feira, 29, e contou com a presença do prefeito Edinho Araújo, do diretor da Emurb – empresa pública que vai administrar o local –, Rodrigo Juliano, de vereadores, da imprensa, e secretários municipais.
“Todos os ônibus do antigo terminal, a partir de amanhã [sábado], estarão operando nesse terminal. Cada ramal de plataformas receberá os veículos de cada uma das empresa. Teremos pessoas orientando para que tudo ocorra dentro da normalidade”, ponderou o prefeito.

Todo o terminal conta com acessibilidade para cadeirantes, pessoas com mobilidade reduzida e com deficiência visual. São quatro elevadores e duas escadas rolantes, além de piso tátil em toda a extensão. Para a travessia das ruas internas foram construídas quatro lombofaixas.
Dois reservatórios subterrâneos instalados na entrada principal têm capacidade de armazenar 450 mil litros de água da chuva, sendo 175 mil retidos para evitar alagamentos e outros 275 mil reservados para o uso na limpeza das plataformas, irrigação das áreas verdes e nas descargas dos quatro banheiros públicos.

Entre os dois ramais de parada dos ônibus, existe uma praça de convivência com bancos e arborização. O espaço foi pensado para os usuários esperarem o ônibus com mais conforto. Além disso, 79 câmeras farão o registro das imagens dentro e fora do terminal.
Ao longo das plataformas de embarque e desembarque estão disponíveis 80 bancos, 125 lixeiras e 50 tomadas para o carregamento de telefones celulares. São 16 totens com 32 monitores que informarão o horário de chegada e partida das linhas em tempo real.
A regularidade dos ônibus e o cumprimento dos horários serão acompanhados a partir de uma sala de monitoramento com dez postos de trabalho, instalada no Centro de Controle e Operações. A sala conta com representantes da Emurb (Empresa Municipal de Urbanismo) e do consórcio Riopretrans, que opera o transporte coletivo em Rio Preto.
Na entrada principal, pela avenida Bernardino de Campos, ficam os seis guichês para informações e venda de passagens, assim como as dez catracas de acesso às plataformas. No acesso pela Philadelpho Gouveia Neto está a sala que abrigará uma nova base da Guarda Civil Municipal (GCM).

Extensão
Os dois pisos do novo terminal somam 28 mil metros quadrados. Na parte superior existem jardins, uma esplanada, um anfiteatro de 330 metros quadrados – com capacidade para receber 750 pessoas – e um deck com 370 metros quadrados.
Os quatro banheiros públicos contam com acessibilidade para cadeirantes e os seis bebedouros disponíveis aos usuários contam com sistema de resfriamento da água.
A obra recebeu investimentos de R$ 64 milhões e foi custeada pelo Governo Federal por meio do Programa Pró-Transporte, Modalidade Pró-Transporte – Setor Público, em repasse operado pela Caixa Econômica Federal.

Bicicletário
À esquerda da entrada principal funcionará um bicicletário com capacidade para 120 bicicletas. Além disso, o entorno do terminal conta com uma ciclovia que fará a conexão entre as faixas exclusivas para bicicletas da avenida Philadelpho Gouveia Neto com as que margeiam a Represa Municipal, passando por trás no prédio da Biblioteca Municipal.
De acordo com a Emurb, será proibido o comércio ambulante na parte interior do terminal. Também não será permitido fumar.

Ajustes
Após a entrada em operação, o Consórcio Riopretrans vai avaliar em tempo real a necessidade de ajustes nos horários das linhas e na quantidade de rodadas por dia. Caso haja necessidade, os ajustes serão feitos nos primeiros 15 dias. “Esse é um movimento normal, como os itinerários foram alterados, as vezes precisamos ajustar alguns horários. A avaliação é sempre realizada em tempo real e os ajustes são constantes, toda vez que detectamos a necessidade”, afirmou o secretário de Trânsito, Transporte e Segurança de Rio Preto, Amaury Hernandes.