Foto: Pixabay

Câmbio clima e aumento no consumo favoreceram em 20% no crescimento do valor exportado

A fruticultura brasileira está em festa, o setor alcançou a marca de US$ 1 bilhão de dólares em exportações de frutas em 2021. O país enviou para o mercado internacional cerca de 1,2 milhões de toneladas de frutas, 18% a mais em volume registrado no último ano. O faturamento foi de US$ 1,060 bilhões de dólares, crescimento de 20%.

Segundo a Associação Brasileira dos Produtores e Exportadores de Frutas e Derivados (ABRAFRUTAS), as vendas para o mercado internacional se tornaram atrativas e foram intensificadas com a valorização do dólar e euro frente ao real, o que resultou nessa conquista almejada já algum tempo.

O clima foi outro fator que favoreceu a produção, foram realizadas boas safras, ou seja, houve aumento de produtividade e qualidade, principalmente, as culturas que estão no topo das exportações.

Além desses dois fatores, foi percebido com o objetivo de aumentar a imunidade, maior consumo de alimentos saudáveis desde o começo da pandemia, o que resultou em mais vendas de frutas no mercado nacional e internacional.

A manga foi a fruta mais exportada em 2021, foram embarcadas cerca de 272,5 mil toneladas de fruta. Ela está no topo das exportações e teve aumento de 12% em relação aos envios no mesmo período de 2020.

Em relação aos aumentos percentuais, destaque para a maçã com faturamento de 79% a mais que em 2020, e 58% em volume. Os envios foram de 99 mil toneladas de frutas enviadas ao mercado internacional, principalmente o mercado europeu que detém ao todo, cerca de 70% dos envios das frutas brasileiras.

A uva foi outra fruta que teve grande aumento nas exportações durante o ano. Foram contabilizados crescimento de 55% em volume e 43% em valor. Mamão, limão, melão também tiveram crescimentos expressivos.

Ao considerar somente o mês de dezembro, as exportações brasileiras de frutas totalizaram 131,4 mil toneladas, crescimento de 6% superior ao registrado no mesmo mês de 2020, com 123,8 mil toneladas. Em receita, houve aumento de 3%, com US$ 109,2 milhões registrados em dezembro de 2021, ante US$ 106,5 milhões no ano anterior.

“Estamos bem felizes e animados com o resultado conquistado, é momento de comemorarmos muito. O Brasil é um grande produtor de frutas e mais do que isso, nossas frutas são de altíssima qualidade e extremamente saborosas, por isso cada vez mais estamos ganhando o paladar do consumidor internacional. Além disso, as pessoas estão em buscas de alimentos mais saudáveis. Eu costumo dizer que não existe nada mais saudável que as frutas”, afirmou o presidente da Abrafrutas, Guilherme Coelho.

O presidente ressalta ainda a organização do setor como elemento que contribuiu com este resultado. “Desde 2014, data de criação da nossa associação, o setor vem se organizando melhor e de maneira mais madura os produtores puderam aproveitar mais as oportunidades que surgiram. Além disso, a parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (APEX-Brasil), por meio do projeto Frutas do Brasil, proporcionou a promoção das nossas frutas no mercado internacional, favorecendo a chegada dessa marca de 1 bilhão em exportação”, disse.

Para o presidente da Associação é importante destacar que a fruticultura é um segmento socioeconômico e ambientalmente sustentável. As frutas exportadas possuem certificações internacionais, como o Global Gap, Rainforest Alliance, GRASP, Fair Trade, Tesco Nurture, BSCI, HACCP / APPCC. Ainda, este é o setor do agro que mais emprega, são cerca de 5,5 milhões de empregos diretos.

A Abrafrutas tem intensificado os trabalhos e construído importantes relações, tem trabalhado na abertura de novos mercados e ampliação dos existentes em parceria com o Ministério da Agricultura. Nesta semana, tiveram a ótima notícia da abertura do mercado chileno para o limão taiti brasileiro, o que é muito positivo para o setor.

Fonte:Abrafrutas

Compartilhar