Fotos: Recria Assistência Agropecuária e Leandro Gasparetti

Atualmente, o Brasil tem passado por tempos difíceis nas áreas políticas, econômicas e sociais. Na atual conjuntura, a margem de lucro em alguns setores como o agronegócio, encontra-se cada vez mais reduzida devido ao crescimento dos custos que o proprietário tem com insumos, combustíveis, mão de obras, impostos, entre outros. O crescimento dos custos se deve à influência da integração de mercados internacionais e às políticas públicas que distribuem alimentos ou cestas básicas a baixo custo para a população, diminuindo a rentabilidade dos produtores.

O setor de agronegócio sempre foi de extrema importância para o Brasil, sendo responsável por 23,5% no Produto Interno Bruto (PIB) no ano de 2017. Com margens reduzidas, o produtor precisa se adequar à nova realidade e visar cada vez mais uma maior eficiência, investindo em tecnologias, planejamento e gestão. O investimento em tecnologia, possibilita a empresa uma maior produtividade em relação a tempo e espaço, a qual é fundamental para a sobrevivência da propriedade. Aliado a isso, deve ocorrer o investimento na gestão do negócio, pois o proprietário investirá mais tempo para planejar, acompanhar e gerenciar seu negócio, como também os investimentos em profissionais especializados e projetos de consultoria, que trarão importantes insumos para direcionar a análise tornando a tomada de decisão do proprietário cada vez mais assertiva, aumentando assim o seu lucro e consequentemente seu negócio. Todos os investimentos trarão um maior desempenho da propriedade, visando assim a maximização dos lucros do proprietário, que conseguirá ter uma melhor visão, projetando assim a sua produção em curto, médio e longo prazo, mantendo a saúde da propriedade e de sua família.

Em contrapartida, o mal planejamento e a má gestão levam a altos prejuízos financeiros que muitas vezes obrigam o produtor a desistir da atividade, e, em alguns casos, até perder a sua propriedade, cujo valor pessoal é imensurável. Para quem trabalha na área de consultoria agropecuária, é notório que uma boa parte das propriedades rurais demonstram graves sinais de falta de planejamento dos custos, o que gera uma grande preocupação a esses proprietários.
Para sobreviver à atual conjuntura do mercado brasileiro e seus impactos no agronegócio, torna-se cada vez mais importante o investimento na educação financeira dos proprietários. O entendimento de que todo investimento deve ser contextualizado dentro um projeto produtivo é fundamental, sendo este realizado pelo próprio produtor, ou por terceiros, seguindo assim, um plano previamente estabelecido que obriga o produtor e assessores especializados a repensar o negócio colocando no papel uma ideia baseada em conhecimentos práticos e parâmetros científicos e técnicos. No planejamento destes projetos, podem ser observadas inviabilidades ou obstáculos econômicos que alertam para um possível prejuízo, permitindo que o produtor evite grandes perdas financeiras em um investimento de um projeto inviável.

Portanto, cada vez mais esses proprietários veem com bons olhos a gestão e planejamento agropecuário, algo que até pouco tempo atrás não era levado em consideração. Assim, conclui-se que a boa gestão agropecuária permite ao proprietário trabalhar com aquilo que ama, a sua terra, poupando-o de preocupações que o prendam a um ciclo vicioso de problemas, tornando-o livre para executar as suas realizações e sonhos pessoais e de sua família.

Por Rodrigo Forero
Responsável pelo Programa Fazendo Fazendas
Médico Veterinário PhD em Reprodução Animal/USP
Especialista em Produção / Pastagem e Nutrição de Ruminantes / ESALQ-USP
CRMV – 11360