Fotos: Renata Thomazi

Fundo Global de Meio Ambiente libera US$1 mi em investimentos no setor para 2019; a reunião contou com a presença de representantes do SEBRAE


Representantes do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), da Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (UNIDO), da Assessoria de Energias Renováveis de Itaipu, e do Centro Internacional de Energias Renováveis e Biogás (CIBiogás), estiveram reunidos estrategicamente na semana passada, em Foz do Iguaçu, nas dependências da Fundação Parque Tecnológico Itaipu (FPTI), para debater o projeto “Aplicações do Biogás na Agroindústria Brasileira”, financiado pelo Fundo Global pelo Meio Ambiente (GEF – Global Environmental Facility).

O projeto possui o objetivo de desenvolver a Cadeia de Valor do Biogás e Biometano, além de contribuir com a destinação adequada aos efluentes da agropecuária. A meta é reduzir 535 mil toneladas de gás carbônico, suprimindo a emissão dos gases de efeito estufa, promovendo a utilização do biogás como matéria-prima renovável no lugar dos combustíveis fósseis, tal como a gasolina, o óleo diesel, o gás natural e o carvão mineral.
Além das vantagens ambientais, os proprietários e os moradores das áreas rurais terão acesso à uma distribuição energética mais segura e estável. O encontro proporcionou o alinhamento tático entre as instituições para que a expansão dos projetos relacionados ao biogás sejam implementados no sul do país, ampliando a competitividade do agronegócio nacional.

US$1 milhão em 2019
Um dos resultados das reuniões foi o acordo entre as instituições presentes, chancelado pela Agência ONU, que o GEF investirá US$7 milhões, distribuídos ao longo dos cinco anos previstos para planejamento, execução e implementação de ações relacionadas ao projeto de aplicação do biogás no Brasil. Para 2019, a parcela liberada foi de US$1milhão.

Sebrae
Representantes do SEBRAE dos estados do Mato Grosso do Sul, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, participaram do cronograma de atividades para conhecer alguns dos modelos de negócio relacionados ao biogás, até então desenvolvidos na região Oeste do Paraná, entre eles a Cerâmica Stein, que utiliza o biogás como fonte energética, a Unidade de Demonstração de Biogás e Biometano de Itaipu, e a “Mini Central Termelétrica do Projeto de P&D Copel em Entre Rios do Oeste”.

Entre Rios do Oeste
Por meio de uma solicitação da ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica), a Copel realizou o investimento de R$19 milhões na implementação da Mini Central Termelétrica no município de Entre Rios do Oeste. Com uma estimativa de 4.500 habitantes, a região comporta aproximadamente 150 mil suínos. Os dejetos provenientes da suinocultura causam problemas de saneamento e desconforto na população, mas, de acordo com o prefeito em exercício, Ari Maldner, esta é a principal atividade econômica da cidade.
Com a construção da Mini Central, o município receberá o tratamento de 215 toneladas por dia de dejetos, de 17 propriedades rurais, com previsão de capacidade produção de 4.600m3/dia de biogás, gerando energia equivalente a 250 MWh.mês, com 480kW de potência instalada. Energia suficiente para abastecer todos os prédios da Prefeitura e ainda resultar em um excedente energético de 58% em relação ao consumo médio de 158MWh.mês.
Financiado pela Copel e executado pelo CIBiogás e FPTI, o município cedeu o terreno, maquinário, terraplenagem, e os produtores rurais investiram na instalação de biodigestores nas respectivas propriedades.

CIBiogás
O CIBiogás é uma instituição científica, tecnológica e de inovação, em forma de pessoa jurídica de direito privado, constituído como associação sem fins lucrativos, autonomia administrativa e financeira, regida por um estatuto. O Centro é formado por 27 instituições que desenvolvem e/ou apoiam projetos relacionados às energias renováveis. Sua estrutura conta com um laboratório de biogás, no Parque Tecnológico Itaipu (PTI), em Foz do Iguaçu, e com 11 unidades de produção de biogás no Brasil.

Compartilhar